skip to main | skip to sidebar

5 de janeiro de 2009

NATAL





EnHigma






No dia 13 de Dezembro morreu.
Ninguém pensou no Natal que estava a chegar, só ela. Olhava para a avó, olhos secos e pensava no Natal que estava a chegar. Perguntou-se de seguida, olhando todos que choravam, se seria tão insensível como diziam. Adorava aquela avó, mas não conseguia chorar, só se lembrando do Natal que estava a chegar....
Ouviu vagamente a conversa de Alice, um autêntico SOFISMA, que a todos impressionava pela ‘devoção’ demonstrada, revirando os olhos mostrando a ALVA, apontando o dedo para ela, para que todos vissem que não chorava. Pensou lá com ela que durante a doença da avó, seis longos, dolorosos meses, que a teria ido visitar umas duas vezes. Puxou pela cabeça para visualizar a segunda vez. Não, DECIDIDAMENTE tinha sido só uma.
E o Natal que estava a chegar....
Indiferente a todos, ia passando pelos diversos grupos, ouvindo aqui uma coisa, além outra, acolá um outro que se vangloriava da estima que a avó lhe tinha, PARALOGISMO perfeito.
Conhecia-os tão bem, sabia tão bem quem tinha gostado da avó!
Estava a chegar o Natal....
Estavam ali tantos, ela no meio dos outros, sentindo-se como se não fizesse parte daquele clã. A avó fora a única, com a sua BONDADE, com o seu amor, que sempre a fizera sentir pertença de algo, tinha sido o seu PATRONO.
E o Natal que estava a chegar....
A 17, juntaram-se todos, uma outra vez, por se ter encontrado um bilhete, dentro do seu cofre, que nomeava quem queria que estivesse presente, para DESVENDAR a CARTA que lhes deixara.
A carta, qual ORÁCULO ILUMINADO, deixava o pedido de se juntarem todos os Natais, inclusivamente o próximo, dali a oito dias, como se ela estivesse presente. A avó era a única que conseguia todos congregar à sua volta, Natais de festa, de amor, de ternura feitos.
Finalmente alguém se lembrava do Natal que estava a chegar......quem já cá não estava
Além daquela carta, havia uma outra lacrada, em nome dela.
A inveja, por a avó gostar tanto dela, entre alguns membros da família, sempre a tinha notado, mas quando recebeu a única carta individual, que nem deixara a nenhum dos filhos, o ambiente turvou-se.
Um dos tios, o preferido da mãe, que também gostava dela, chegou-se perto e murmurou-lhe baixinho, para nunca se esquecer daquele gesto da avó que tanto a amara, que recordasse, para ser digna dela, que não ligasse às invejas que se sentiam, que depressa passariam.
A preciosa carta foi aberta, lida, guardada e finalmente com as represas rebentadas, as lágrimas escoavam rosto abaixo. Nela a avó falava de um REENCONTRO que se haveria de dar entre as duas, da MUDANÇA que a sua morte ia provocar na sua vida, da coragem que teria de ter para a enfrentar, da pena que tinha de não estar viva para poder presenciar o bem que se sairia, da sua fé nela
Nesse Natal todos se juntaram, mas o Natal que estava quase a chegar....não chegou.
O pedido da avó não se concretizou
Aquele foi o último Natal da família



23 comentários:

Mariz disse...

Há Natais assim...
Conheço-os!...noutras mortes!

Sempre...
Mariz

Como te vou conhecendo...

Mariz disse...

segura a minha mão

Aguenta-te firme na escalada.
Beijo meu
Mariz

Elcio Tuiribepi disse...

São situações inesperadas que a vida as vezes deixa como ensinamento...Acho que as pessoas mais maduras com certeza já passaram por algo semelhante...boa seana para você Clara e para a sua família...bonita a música...

claras manhãs disse...

Bom Dia, Mariz


Faço tenções disso.
Obrigado pela ajuda

Sempre beijo meu

M

claras manhãs disse...

Olá Elcio


São fatos do quotidiano que muitas pessoas aguentam

beijinho

Fatyly disse...

Há elos que mantêm todos unidos mas quando partem essa união desvanece-se. É mais comum do que se julga.

Triste, muito triste.

Beijos

xistosa - (josé torres) disse...

Era uma família ... como se diz modernamente ...

Bem não interessa...

Quem morre é substituído pelo que se segue ... é a lei da vida, ou da morte, que inexoravelmente fazem, (E AINDA BEM!!!), uma colheita.
Uns morrem no Verão, na Primavera ... no Inverno.
No Natal ou na Páscoa!
Morre-se ... é a Lei da Vida, ou da Morte, que ninguém estudou.

Mas todos sabemos que há um limite e o infinito, para já parece inatingível!

Maripa disse...

História triste,sem dúvida,e que acontece tantas vezes.
Triste ...mas entre avó e neta existiam laços de ternura que ela não vai esquecer.À medida que o tempo for passando,sorrirá ao pensar na avó que tanto lhe queria.

Beijo amigo.

Helena Paixão disse...

Senti uma enorme tristeza ao ler este texto, não que tenha passado por uma experiência semelhante mas porque a descreveste com tanta emoção que me senti parte integrante da história.

E senti-me triste por uma família que perdeu o seu fio condutor.

Bjs e tem uma excelente semana!

cris disse...

Um beijo terno, Amiga.
Perdoa não conseguir dizer mais nada...

claras manhãs disse...

Olá Fatyly

Acontece muito, acontece.
tens razão.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Xistosa

É verdade. Quem nasce morre.
Acho que já o sabemos, antes de nascer.
Deve vir no ADN

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Maripa


Quando se estabelecem laços de amor, de amor desinteressado, nunca são esquecidos, penso eu.
Ficam gravados para sempre.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Helena

As mulheres costumam ter uma força enorme, são elas que normalmente unem as famílias, principalmente no tempo das nossas avós.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Cris


Um beijo terno, é um mundo, minha querida
obrigado

beijinho

Desnuda disse...

É lindo o texto... E passa bem proximo a todos nós que o lemos ...

* Querida estarei enviando Reiki e orando para a situação da mocinha e seus familiares.


Um 2009 luminoso para voce e os seus familiares. Grande beijo

Carla disse...

há natais em que apenas o dia se concretiza...perdem o espírito que caracteriza esta época
beijos e um bom ano

Nuno de Sousa disse...

Trsite e comovente a tua história minha boa amiga... o Natal para mim deixou também de ter o mesmo significado de outros tempos, pois perdi o meu pai faz 15 anos no dia 17 Dezembro e uma prima minha que era como uma irmã pois foi criada connosco mtos anos, faleceu faz cerca de 7 anos num acidente de viação tinha 23 anitos e deixou 2 filhotas lindas, uma deles ficou sem um pedaço do cérebro e hoje é uma menina cheio de problemas, no ano anterior o pai delas tinha sido atropelado e é um ser qse que vegetal dependendo de outros para sobreviver numa cadeira de rodas e qse q nem conhece as filhas... por isso amiga o natal para mim só me liga por ser algo que nos une e ser uma época bonita mas pouco mais q isso.
Bjocas enormes amiga,
Nuno de Sousa

Nanny disse...

Mais uma das tuas belas e tristes histórias... adorei e lembrei-me dos meus que há pouco partiram... faz-nos sempre bem recordar.

Beijinho muito grande e um Bom Ano Novo

claras manhãs disse...

Viva Desnuda

minha querida, obrigado pelo Reiki.

Que o teu Ano Novo te corresponda em generosidade e LUZ aquilo que dás.

beijinho

claras manhãs disse...

Viva Carla


Um Feliz Ano Novo, Amiga

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Nuninho querido


Que história dramática.
Tenho muita pena, Nuno, muita mesmo.

beijinho do tamanho do Mundo e que te envolva bem em Amor

claras manhãs disse...

Olá Nanny

Minha querida!
De vez enqyando lá aparecem as histórias tristes.
sorriso
mas eu não estou.

beijinho