skip to main | skip to sidebar

24 de setembro de 2008

QUERO OUTRA





Wojciech Gaczek




Desenrosco a cabeça e ponho-a a meus pés com vontade de a desfazer
não a quero. Quero outro alguém que não pense como eu, que seja mais racional, que não sinta tanto
Olho-a e vejo-lhe as feições correctas, os olhos ainda brilhantes como a pedir que a ponha no lugar certo
o lugar certo é que não sei qual será, em cima dos meus ombros é que não, que quero outro alguém que não sinta o mesmo que eu
Quero alguém que não se importe com o que vê, que não se enjoe deste mundo, que não queira o que quero, lhe agrade a hipocrisia, que queira ir comer à mão dos que lhe oferecem nada, fingindo ficar feliz com tanto
cabelos compridos debaixo dos meus pés, com vontade de a triturar, quero outra, não esta, quero alguém mais racional
boca bem delineada naturalmente vermelha, nariz perfeito, não quero esta que se emociona que tem o coração ao pé da boca, que é frontal e só diz o que pensa, não, esta não me serve, quero uma outra que saiba estar e sorrir quando vê sacanagens à sua volta e diz sim, quando devia dizer não
Agarro-a pelos cabelos e balanço-a com vontade de a desfazer, ela olhando-me pedindo que a ponha no seu lugar, enquanto a deixo cair em qualquer vão
no seu lugar é que não é possível, não a quero em cima dos meus ombros, quero outra em vez dela, que saiba que o mundo é preto e que mesmo assim jure que ele é branco, se sinta bem vivendo nele, que consiga viver na mentira rindo e se faça amiga de quem o não é, mas por trás só diga mal, por ser assim que o mundo é, por ser assim que todos se sentem bem, quero quem eu não sou, quero outra diferente jamais igual e não me tento a encaixá-la onde deveria ser o seu lugar.
Tenho pena dela sem corpo, tenho pena de mim sem cabeça, as duas para aqui infelizes por não sabermos a quem pertencemos, ela a julgar que é minha eu a saber que minha não é, mas não consigo andar sem cabeça, ainda aqui estou a olhar para ela, com pena e ela para mim, duas que eram uma e que agora são coisa nenhuma.
Levanto-me e preparo-me para ir à procura de outra.
No entanto ainda olho para trás e vejo-lhe o sorriso confiante esperando que faça o que é o normal e a volte a colocar em cima dos ombros.
Estalam gargalhadas no ar, por ela e por mim, por estarmos tão desfasadas, mas volto-lhe as costas, deixando-a no chão e saio confiante por saber que o que mais há por aí é quem eu quero passar a ser.


15 comentários:

inespimentel disse...

Que bem que te entendo, tu sabes!
Aposto que já voltaste para trás, aposto que já a tens sobre os ombros, sacudida e penteada, toda cheia de juras... que a partir de agora vai ser diferente, vai andar com mais cuidado, escancarar menos as janelas do teu coração, falar mais com a razão, fazer menos guerras para ganhar mais batalhas... enfim, promessas só para que não a percas por aí... seria um desperdício... e depois que a encontrasse nunca saberia o que fazer com ela... e tu sabes, né?

inespimentel disse...

"quem a encontrasse"

claras manhãs disse...

Olá Inês


sorriso divertido
tal e qual!

beijinho

Fatyly disse...

Revi-me nas tuas palavras e por vezes a revolta é bem grande perante o que fomos e somos que dá mesmo vontade de perder a cabeça e porque não perdê-la? isso é que era doce - perde-se e pumba ela voltará renovada, a cometer os mesmos erros de quem pratica a verdade, o optimismo e a sorrir ou a gargalhar porque nunca deixes de ser "tu".
Estou como a "inespimentel" seria um desperdício quem a encontrasse e faz favor bota-a no lugar:)

Força rapariga e apanhaste-me agora tão molinha depois de ter perdido a cabeça, por ter disparado o que devia, o que não devia, ouviram e nem piaram porque se piassem bem que levavam com ou na cabeça:):)

Beijocas

Mateso disse...

Somos, o que somos, na terra ou no ar, somos apenas, somente o reflexo do que queremos ser...
A divsão do eu, em exercício de imagem. Divinal. Parabéns!
Bj.

claras manhãs disse...

Olá Fatyly


Pois é queridinha, mas às vezes dá cá uma canseira...

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Mateso


Hoje não consegui comentar o teu post.
Já lá vou tentar outra vez.
Dizes bem, "somos apenas, somente o reflexo do que queremos ser"
Mas às vezes é difícil aceitá-lo
Obrigado (sorriso)

beijinho

xistosa - (josé torres) disse...

Já fiz várias tentativas.
vamos a ver se consigo colocar o comentário.
Até já me esqueci do que ia escrever, mas como sou teimoso, não desarmo.
Não sei o que se passa, mas fico com o computador "encravado".
Vou escrever o comentário fora e depois tentar "colá-lo"
Parece-me que a medicina não evoluiu assim tanto, para trocar de cabeça.
E para quê?
Se o corpo está habituado a voltar-se quando sentimos que algo não está certo, que há, ao nosso lado, uma luta por uma posição de predominância sobre os iguais.
Para quê trocar?
Se sempre se vergou ao peso de palavras.
Para quê trocar?
Temos que nos acomodar.
O que adianta um grito ou dois, no meio duma multidão.
Coloque a cabeça, veja-se ao espelho, mude o visual e pense que é diferente, ter o cabelo pintado de preto ou loiro.
A cor transmite-se para o interior.
A cabeça não necessita de pensar, basta seguirmos a vontade do corpo e os empurrões da vida.
Se ninguém mexer nada, tudo continua na mesma …
Mas o mundo é isso … são os contrastes dos trastes e dos viajantes que por cá passam
O outro só queria um ponto de apoio … mas parece que não conseguiu sobreerguer o que queria.

Parece que sempre ficou.

Lúcio Ferro disse...

Bonito.

claras manhãs disse...

Olá Xistosa

Não sou capaz de não gritar
Não sou capaz de me calar
Ainda não consegui aprender isso e sabes que com a idade, dizem que pioramos
sorriso

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Lúcio

Bem vindo!
obrigado


beijinhos

Bartolomeu disse...

É evidente, o amor é feito tambem desses pequenos amuos. No fundo aquilo que queres, que queremos é um mundo diferente e não uma cabeça acomodada.
Ela, a cabeça, sabe que está no sítio certo e sabe que a quem pertence sempre lhe respeitará os desejos de criar o tal mundo, que afinal é novo todos os dias.
Beijos Clarinha anónima ;)

claras manhãs disse...

Olá Bartolomeu

O que vale é que sempre me vou aproveitando do teu pensamento e da tua escrita, por aqui
sorriso contente
O mundo é novo todos os dias, tens razão, sempre as páginas em branco onde se vai escrevendo a vida.
Mas meu querido, um mundo violento e hipócrita

Beijinho, Bartolomeu

Anónimo disse...

ola Martha

Beijinho...

Leio sempre que posso
mas sempre me lembro


AnaMaria-

claras manhãs disse...

Viva Ana Maria


Mas é sempre um prazer enorme ter um comentário seu!
Se puder venha cá amanhã, porque vou apresentar um blog que vai gostar muito, penso


Beijinho com saudades