skip to main | skip to sidebar

29 de setembro de 2008

A CASA DELA








Claude Théberge




Quis fazer uma casa de paredes abertas, engenheiros e arquitetos chamaram-lhe louca.
Mas ela teimosa não desistiu do sonho. Queria fazer a sua casa para aquele homem. Chegado o outono, resolveu que era tempo de a começar. Já tinha feito a movimentação de terras necessárias, já tinha acarinhado o terreno onde a casa seria implantada.
Metade dela ficava no campo, a outra metade na praia mesmo virada para o mar, protegida pelo vento por uma rocha enorme onde as ondas sempre iam bater fazendo remoinhos de encantar.
Um dia, porque o cansaço era medonho, por ser mais difícil do que o sonhado, parou. braços caídos ao longo do corpo, mãos calejadas, pés inchados, escorrendo suor, voltou costas a tudo
A meio do percurso de ida voltou para recomeçar, sem ter conseguido esquecer aquela casa que começava a ter forma, que queria dar de presente àquele homem especial, por quem estava perdida. Uma das paredes já formada por arbustos bem cerrados onde embutiu uma janela com vista para o mar, fazia esquina com o fogão de lenha e a sua respectiva chaminé. Entre os dois pôs uma torneira para controlar a nascente que jorrava água amor, ou pérolas
Acendeu o fogão com a lenha que tinha ali ao lado, começando a fazer bolachas, o cheiro espalhando-se pelos rolos de fumo que se transformavam nas mais leves e cheirosas nuvens. Esticou o braço e trouxe uma delas para mais perto, onde pendurou o quadro da sua vida.
A cozinha dava para a seara de trigo e ao lado da porta que não existia, fez o quarto que haveria de ser deles, mágico. Foi buscar os mais alvos lençois de linho, guardados naquele armário onde tudo o que precisava aparecia, bastava para isso pensar no que gostava de ter ali mesmo à mão de semear, com um deles envolveu o colchão, tão fofo, feito de amores-perfeitos e jasmim e com o outro, bordado com lírios brancos, fez a cama.
Antes de o ir buscar para ver a obra já acabada, deitou-se, cansada, com sono, na seara que a aconchegou nas suas espigas e bocejando, embalada com o som das ondas que batiam na areia, adormeceu.
Acordou revitalizada, o lume no fogão ainda ardia, tomou banho na nascente que nesse dia jorrava pérolas e amor. Ele sentiu o cheiro que emanava daquele canto, das bolachas, dela e descobriu o caminho que o traria até ali. O beijo que lhe deu quando chegou, antes mesmo de em sua volta olhar, embalou-a em ondas de amor em espasmos de desejo, mas ficou parado a admirar, quando no quarto entrou, a parede feita de lírios que se derramava pelo lençol da cama.
Despiu-se de tudo, para que a visse pela primeira vez e ele por seu lado fez outro tanto, deixando cair as máscaras que com cuidado, como todos, tinham composto. Translúcidos da luz que neles transportavam, quase não se reconheceram na beleza do ser, que por tanto tempo tinham guardado.
Foi nessa cama que caíram enlaçados os corpos ondeando, começando a dança mágica, flores pelo ar pairando, sons entregues ao vento, beijos levados à seara, mergulhando em mares que se espraiavam, ora calmos ora revoltos, em infinito azul

14 comentários:

cris disse...

e um delicioso cheiro a canela no ar...
comovente.
não digo mais para que nada perturbe este momento delicioso!
mil e um beijos, de infinito azul...

claras manhãs disse...

Olá Queridinha


Mil beijos para ti, também, Doçura

Anónimo disse...

Ola Martha

Espectacular

Você é o máxomo,Amiga

Beijo e saudades

Anamaria-

inespimentel disse...

... que bom quando sobra imaginação para "construir" a casa ideal para uma pessoa especial... a arquitectura do amor...

Fatyly disse...

O que te dizer? não consigo...apenas que foi uma delícia ler de seguida, reler e voltar a ler!

Um beijo

claras manhãs disse...

Olá Ana Maria


Sorriso agradecido
Escrevo-lhe, está bem?


Um beijinho muito Amigo
M

claras manhãs disse...

Olá Inês


às vezes aparece, só às vezes minha querida

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Fatyly


Ainda bem que gostaste,
este foi um texto que adorei escrever.


beijinho

xistosa - (josé torres) disse...

Quando nos despimos arrojados, impetuosos e talvez imprudentes, dos preconceitos, vivemos ... talvez uma vida utópica, de vãs incoerências, ou sonharenta?

Para mim, é sempre na casa DELA que se pode sonhar ...

Se voltarmos a ler o texto, como eu fiz, consegui mesmo os ténues esboços infinitos.

Que grande momento!

claras manhãs disse...

Olá Xistosa


sorriso
Obrigado. Gostei muito de o escrever.

Beijinho

Mateso disse...

No mundo onírico, a hipótese veste-se de poesia. Sonha-se o desejo, cumpre-se o tangível , cria-se a perfeição e o mundo é quimera quase sentida.
Belo!
Bj.

JúliaML disse...

humm

lindo texto,Minucha!

que coisa, parece que já estive nessa casa ;-)

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Mateso


Quando se consegue que o mundo seja quimera, venceu-se a batalha principal da guerra.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Júlia

Sorriso
Já todas tivemos uma casa assim, pelo menos já passámos por ela.
Quem sonha seus males espanta!

beijinho