skip to main | skip to sidebar

5 de fevereiro de 2009

EUTANÁSIA OU ASSASSINATO?









Já uma vez falei sobre este assunto, quando foi o ‘caso’ Terry Schiavo.
Vou relembrar a minha posição.
Sou a favor da eutanásia.
Penso que qualquer pessoa que esteja consciente, com doença terminal, ou mesmo que não esteja em estado terminal mas que se saiba à partida o que vai sofrer ainda até lá chegar, deveria poder pedir a eutanásia ou a morte assistida. Qualquer pessoa deveria ter direito a essa liberdade de opção.
Se já não estiver consciente, poderia também ter liberdade de escolha, desde que e só se o tivesse deixado escrito, enquanto consciente.
Para mim, eutanásia e, ou morte assistida, quer dizer, o desligar de uma máquina desde que cardíaca e não alargo mais no que ao desligar das máquinas diz respeito, ou uma qualquer injecção letal desde que não provoque dor.
No caso de Terry Schiavo e agora também no caso de Eluana Englaro, a situação é bem diferente.
- Desde logo, porque não estão conscientes e são outros a pedir a sua morte, o que não aceito de modo nenhum.
- Não deixaram nada escrito e tem de se confiar no que os familiares, mesmo que pais, dizem pensar que elas quereriam. Eles não têm a certeza se seria essa a opção de qualquer delas, eles unicamente pensam que elas teriam optado por essa via.
- Nestes dois casos, e, a medicina continua a saber muito pouco sobre o cérebro humano, não se trata de eutanásia nem de morte assistida, no meu entender como é óbvio, tratou-se e trata-se de deixar morrer à fome duas pessoas e vai demorar perto de duas semanas até que Eluana Englaro morra.
Para mim, isto é MORTE DESASSISTIDA
Para mim, isto é uma infâmia
Para mim, isto é um assassinato
Para mim, isto é um terror
Para mim, uma sociedade que permite que isto se faça, está no fim da civilização, por ser inadmissível a confusão ética sobre eutanásia e assassinato.
A repugnância que sinto hoje é maior, se é que pode ser maior, do que a que senti quando de Terry Schiavo.
Não me venham com a cantiga de que os médicos dizem que não vai sofrer. Todo o organismo sofrerá com a falta de alimentação.
Já pensaram o que é um organismo inteiro a sofrer por falta de alimentação?
Daqui a uns anos poderá vir a saber-se que afinal o cérebro, ou as células nervosas, ou outra coisa qualquer, sofreu ou que registou o sofrimento.
E já repararam? Nem sequer está a dar muita polémica a não ser em Itália!!!!!! Já nos habituámos a que se pode matar alguém à fome?
Por que não uma lei que estabeleça o que é eutanásia e o que é assassinato?
Porque não uma injecção letal, nos termos em que referi?
Porque, deixem-me explicar melhor o que penso, mesmo que a morte destas duas mulheres fosse com injecção letal, pedida por familiares, eu estaria sempre contra.
Porque não se faz esta discussão nas sociedades?
Porque se deixará ao livre arbítrio de uma meia-dúzia de pessoas, mesmo que essas pessoas sejam juízes?
Já pensaram que poderia ser cá em Portugal? Aceitariam que os nossos juízes, que fazem cada argolada, decidissem da vida ou da morte de alguém? Os juízes Italianos serão melhores que os portugueses? E os americanos serão?
Não querem começar a discutir este assunto aqui? Com argumentos? Os que não têm a minha opinião e os que têm? Eu sei que muitos pensam de maneira diferente da minha. Gostava de os ouvir.



47 comentários:

Sam disse...

essa é como a do aborto...Um desfile de baboseiras dos anormais do religiosos com o caralho do "dom da vida" e do deus e do profeta e do caralho que os fôda a todos!
confudem questões de saúde, humanismo e higiéne pública com a puta da religião!

se o meu cão está a morrer podemos matá-lo para que não sofra, mas uma pessoa não. tem de aguentar-se até definhar, porque foi feita à imagem dum caralho qualquer que inventaram...

hô amiga, eu culpo a religião e o poder político como a causa de todos os males da humanidade!!

beijo doce amiga.

claras manhãs disse...

Olá Sam

Tu és pró eutanásia.
Mas também a deixavas morrer de fome, ou és a favor duma injecção qualquer que lhe desse um fim rápido?

beijinho doce, Sam

Fatyly disse...

Tudo tem o seu timing de mudança e mudar mentalidades e culturas demoram anos e anos.
Era contra a penalização do aborto - hoje já é assistido. Neste caso quem sempre contrariou a aceitação FORAM HOMENS e eu dizia sempre...mas quem são eles para mandarem na barriga das mulheres?
A doacção dos orgãos só com consentimento do próprio e ou expresso. Hoje é o inverso, só não tiram a quem deixar escrito.
A cremação era um bicho de sete cabeças e só cremavam por vontade escrita. Hoje basta expressar e ser através de familiares.

Sou a favor da eutanásia e subscrevo o comentário do Sam.

Quantas vezes desligam as máquinas sem nada dizerem? para quê tapar o sol com a peneira?

No entanto existem duas pessoas, acho que no hospital S.José, uma há 14 e outra há 20 anos numa dependência total, mas conscientes. Queriam, queriam, queriam morrer...e há dois ou três anos deixaram de querer e amabas foram motivo de uma grande reportagem feita o ano passado.

SE eu estivesse nessa situação preferia a morte imediata e assistida.

claras manhãs disse...

Olá Fatyly


É essa a minha pergunta, tal e qual. Rápida também percebo.
mas posso te fazer uma mais simples.
Se acontecesse a alguém da tua família deixarias que o fizessem deixando de alimentar essa pessoa por mais de 15 dias?

beijinho

Cadinho RoCo disse...

Também sou a favor de que a pessoa tenha a liberdade de decidir pela eutanásia em sua própria vida e concordo com sua posição naquilo que refere-se a uma boa e ampla discussão para que haja clara distinção entre morte assistida e assassinato.
Cadinho RoCo

Fatyly disse...

Claras manhãs

Se foi esse o pedido da família desde de 1999 que suspendessem o que mantém vivo apenas o fisico e que foi aceite pelos tribunais italianos...quem sou eu para criticar a decisão dificilima desses pais que agora pedem silêncio até ao final?
"Trata-se de Eluana Englaro, hoje com 33 anos e que em 1992 sofreu um acidente rodoviário que a deixou em coma irreversível estando internada num hospital de Lecco, no Norte de Itália, onde o pai reclama desde 1999 o direito de suspender o tratamento.

Esse pedido foi agora satisfeito com a Audiência Provincial de Milão a autorizar parar com a hidratação e alimentação forçada da paciente, tendo em conta "a extraordinária duração do seu estado vegetativo permanente".

O tribunal teve ainda em conta "a extraordinária apetência do seu carácter pela liberdade" e a "visão da vida" de Eluana Englaro "irreconciliável, assinala, com a perda total e irreversível das faculdades psíquicas e com a sobrevivência "só biológica do seu corpo".

O primeiro apoio à decisão do Tribunal chegou do pai de Eluana, Beppino Englaro, ao afirmar que a filha será "finalmente livre desta tramóia de mecanismos médicos em que esteve enganada 6.019 dias".
"(...)a equipe de voluntários suspenderá progressivamente a alimentação de Eluana - mas sem retirar a sonda nasogástrica - até a morte dela, como autorizou a Justiça italiana, após o pedido da família."
Ao tirarem progressivamente a meu ver está sob controlo e desculpa que te diga, mas neste caso não é eutanásia mas sim deixar que a natureza reaja!
E se reajir??? voltam a alimentar daí não retirarem a sonda...

Se fosse comigo ou com um familiar meu, jamais pederia essa forma - respeito o pedido desses pais - mas sim a eutanásia com injecção letal ou outra coisa e tal sem qualquer tipo de sofrimento!

Ainda hoje oiço a voz do meu pai: se um dia eu ficar numa cama do hospital agarrado a uma máquina, filha, tu que tens "livre trânsito" vais lá e desligas tudo porque quero morrer em paz!!!!

Beijos

PS: se quizeres lê esta notícia na integra http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=354220&visual=26&rss=0

Fatyly disse...

errata: "reagir?"

Desnuda disse...

Querida amiga,



respeito o lívre arbítrio, mas nunca a arbitrariedade. E neste caso, como em você, me causa indignação esta " morte desassistida" e arbitrária.


Grande beijo

Teresa disse...

linda,

como te entendo. concordo que tenhamos a opção de não sofrer mais e morrer sem dor. concordo que façamos uma declaração, enquanto conscientes, de que, caso caiamos numa situação destas, possamos contar com alguém que nos ajude a não sofrer mais.

temos, basicamente a mesma opinião, como noutras coisas.

beijo amigo, estou bem, não tenho dores, estou viva.

Nuno de Sousa disse...

Ainda agora estive a ouvir uma história sobre Eutanásia de uma jovem Italiana em que seu pai luta por todos os meus para que essa jovem tenha paz na vida... um ser qse que vegetal, sem vida mas em sofrimento... e que o Governo Italiano não quer deixar que ela possa ter um fim ao sofrimento em que vive assim como seus famíliares...
Sou a favor desde que esse seja o último recurso e que já não haja qualquer esperança para essa pessoa e que seus famíriares concordem que a Eutanásia seja o melhor para ela...
Por isso a favor.

Bjs amiga e um bom fds que eu vou dar umas voltinhas por Setúbal só espero que o tempo permita umas saidas para umas fotografias :-)
Bjs em ti,
Nuno

Gonçalves Ozório disse...

O suicídio só é permitido se o corpo ainda se movimenta. Do contrário, ofende a moral e aos bons costumes. De minha parte, sou da opinião de que isto é devido à cristandade, cujo próprio protagonista optou pela morte conscientemente. Mas é claro que Deus é gentil com os que sofrem.


Quanto aos 'feeds', tudo o que faltar ou não fizer sentido naquele blog, é proposital.

Um beijo grande, minha cara amiga.

PS: Gostei do texto e da iniciativa e estou de total acordo com seus pareceres.

Gonçalves Ozório disse...

Eu não me admiro que deixem definhar de fome. É o que fazemos todos os dias com mendigos, menores abandonados e grandes concentrações de terra pobre.

claras manhãs disse...

Olá Cadinho Roco

Tens uma posição igual ou parecida com a minha.

beijinho

claras manhãs disse...

Tenho a notícia na íntegra, Fatyly, obrigado.
Não estou a criticar os pais, Fatyly, nunca criticarei quem pede.
Estou a criticar os estados por deixarem que haja vazios legais que permitam que juízes se pronunciem por algo que não está em leis.
Os juízes existem para julgar segundo leis, e não segundo o que eles acham.
porque a achar, eles não são mais do que eu. Não lhes reconheço a infalibilidade de opinião.

E repara, não estou a falar do estado italiano nem do Vaticano.
A minha opinião não está influenciada pela relifgião.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Desnuda

Para mim é repugnante o que se está a fazer, e o que já se fez com a americana há coisa de um ano.

beijinho

claras manhãs disse...

Teresinha querida

Nem sabes como estou contente por estares bem.
É um VIVA A VIDA, A TUA!!!!
Temos grandes afinidades de pensamento e de ideias, o que me alegra imenso.

beijinho, minha querida.

claras manhãs disse...

Olá Nuno

Tenho pena que não leias a minha resposta.
estou a falar do mesmo caso que tu estás.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Gonçalves Ozório

pronto, as minhas desculpas sobre os feeds, mas sabes dava-me mais jeito (sorriso divertido)

Tens razão. Também penso que é por isso mesmo que a deixam morrer de fome, se não nos importamos que quem está vivnho da costa morra de fome, porque nos havemos de importar que quem está em coma o faça?

beijinho

claras manhãs disse...

devo chamar a atenção, que esta rapariga italiana, tal como a americana, não estão ligadas a nenhuma máquina artificial.
A única coisa que estão a fazer é a alimentá-la e para mim ,dar de comer, não é manter a vida artificialmente.
Porque então, como diz Gonçalves Ozório, também estaríamos a manter a vida artificialmente a quem não pode, quaisquer que sejam as razões, alimentar-se.

será por isso que morre tanta gente neste mundo de fome?
porque não vale a pena estarem vivos?
ou será que estou a ser demagógica?
mas que tem sido um prazer saber das vossas posições, isso tem
Obrigado por terem participado, nesta troca de opiniões.

Sam disse...

Não está provado que a fome doi!
mas prefiro a injecção!

Beijo doce em ti amiga, e bom fim de coiso! Não te esqueças de amar.

prafrente disse...

O tema é polémico.Tudo o que sobre ele dissermos é sempre uma opinião pessoal.Também eu tenho a minha que,por ignorãncia, pode não ser a mais correta.Não aceito a eutanásia a "pedido", ou seja, eu acordo com os "pés de fora"porque as coisas não me estão a correr bem e decido pedir ao médico para me dar uma injecçõa letal.Em caso de sofrimento intenso e que a medicina não consegue aliviar aceito a morte assistida.Nos casos de vida vegetativa dependente de meios artificias concordo com a ortotanásia, ou seja, desligar os suportes de apoio e deixar a natureza seguir o seu caminho.

Bom fim de semana

inespimentel disse...

Está na ordem do dia pensar, e falar, sobre qual a forma mais legítima e digna de acabar com um sofrimento atroz e irreversível numa fase terminal da vida!
Dificil, opinar... no meu entender a vontade do "interessado" dever-se-ia sobrepor a todos os tabus e todas as regras. A igreja que fique com as condenações e as culpas, em última análise sou eu que decido se quero pôr fim à minha vida e podem-me condenar por isso, eu aguento!
Sam não te zangues, cada um pode ter a liberdade de pensar o que queira... o mal está em querermos que a nossa verdade prevaleça sobre outras... através da religião há quem cometa esses abusos, mas a religião não tem a culpa... não cometas tu também esse erro!

claras manhãs disse...

Sam, lindo

quer dizer, doi que se farta nos vivos. Ela já estará morta?
Também não confirmado que não doi.
Não Vês?
todo o organismo se vai ressentir.
Até que ponto a ciência médica já sabe que não doi, se ainda estão a descobrir coisas sobre sensações, por nada se saber sobre isso.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá José

Claro que são opiniões pessoais e é mesmo isso que me interessa, a todos nós.
Quando alguém faz uma lei, podemos dissertar sobre ela.
Eu não aceito que os familiares decidam sobre a vida ou a morte de uma pessoa.
E também não aceito que juízes se pronunciêm sobre não leis, ou vazios legais.
Não dou a presunção de sapiência nem de não erro a nenhum juiz.

beijinho

claras manhãs disse...

Inês, queridinha

Mas aqui o interessado não tem vontade, nem sequer a expressou verbalmente.
Aqui o pedido é de familiares, e não vai ser rápido nem sem dor, porque não há ninguém que esteja 100% seguro disso.
O que os médicos dizem é só à luz do que sabem hoje, mas todos eles sabem que daqui a uns anos poderão ter de dizer que doi.
O que quero saber Inês é se estás de acorodo ou não , queos familiares possam pedir a morte por eutanásia de alguém da família, e se concordas ou não com esta decisão de lhe não darem de comer, quando se sabe que ela vai demorar 15 dias a morrer.

beijinho

claras manhãs disse...

José!!!

esqueci-me de dizer, mas parece-me que deixei bem expl´+icito no post que só aceito a eutanásia em pessoas com doença terminal.

beijinho

Mateso disse...

Tens no meu azul um desafio. Espero que aceites.
Obrigada pela postagem de "Saudade"
Bj.

xistosa - (josé torres) disse...

Já expressei a minha opinião aqui nesta casa.
Sou sem qualquer obstáculo ou prurido, a favor da EUTANÁSIA.

A vida humana não é uma santidade como a igreja apregoa.
Aliás a igreja tem tomado atitudes retógradas e ultrapassadas (casos do uso do preservativo e não só).
O obscurantismo ainda não desapareceu de todos os locais ...

A eutanásia é um nome pomposo para uma morte misericordiosa
Chamem-lhe morte assistida, mesmo assassinato rápido, morte intencional por compaixão, morte activa, morte passiva, mas não deixa de ser uma morte, mas mais importante um fim dum sofrimento para vivos (familiares) e doentes.
Um médico ou junta médica devem saber quando a vida é irreversível.
Nestes casos, como a da italiana, uma injecção ou um cocktail de medicamentos é a solução.
Para isso há que criar leis, para não se assassinarem pessoas, como ia ser o caso da italiana.
Não concordo com o método, que afinal já não será empregue porque o 1º ministro, como um "cappo" de 1ª linha, contorna sempre a lei.
Até na morte deve haver alguma dignidade.
Não tenho a certeza, mas parece que Thomas More, por volta de 1500 e não sei quantos, já defendia a eutanásia.
Penso não me ter enganado nas datas e no nome do autor.
De momento esqueci-me do nome do livro.
Mas a eutanásia para mim, é mesmo o que a palavra significa, "uma boa morte".
E esta só será "boa" se for rápida e não lentamente.

Valentim Coelho disse...

Olá Claras Manhãs!
eu tenho a mesma posição, embora não pense da mesma maneira em relação a dar a decisão ao paciente para definir a sua morte!
Defendo a vida!
Em relação ao meu blog, encontra-se com o nome "Valentim Coelho" e não "V", que aliás desconheço.
Beijinhos e boa semana.

mateo disse...

Quando um dia tive que acompanhar de muito perto essa possibilidade... sempre lutei para que, em cada momento, a luta pela vida sobre a morte fosse uma vitória do meu doente. E minha!
É tão difícil decidir pelos outros e, em caso de vida ou de morte, não é problema de religião ou de estado... O problema sou eu.
Não sei... E também não quero que decidam por mim... Ou será que a lei me despe do sentido da alma?
Beijo.

saphou disse...

Por princípio sou contra eutanásia activa, admito eutanásia passiva. O que estão a fazer é um assassinato, nem eutanasia é.

Júlia Moura Lopes disse...

concordo consigo, Minucha. Para mim é assassinato.
Total desrespeito pela pessoa. tenho muito medo dessa vulnerabilidade a que estamos sujeitos...

Elcio Tuiribepi disse...

O que mais me chama a atenção é saber que num mundo onde pessoas morrem por não ter o que coer e campanhas são feitas para que isso não aconteça, pessoas decidam deixar uma pessoa morrer de fome...
Sei que é complicado um assunto desses e apesr de não saber exatamente como tudo isso chegou neste ponto, sei lá, mas não consigo concordar com a forma, acho desumano, até porque por mais que esses juízes possam formar uma opinião até de valores sobre o assunto, não creio que tenham o conhecimento necessário, acho que nem mesmo a igreja, o certo seria mesmo uma lei, ou sei lá...sou a favor da vida e nada disso me agrada, mas é lógico que em certos casos temos que repensar...
Nos casos de estupro também são gerados esses tipos de polêmica...
Um abraço na alma...

claras manhãs disse...

Olá Xistosa


mas eu também defendo a eutanásia, mas com algumas regras.
Não aceito a eutanásia só para poupar a dor, ou problemas económicoas a familiares.
Isso que dizes dos médicos é ter FÉ neles.
Não tenho nenhuma espécie de FÉ em humanos.
Mas Repara, eu não tenho nenhuma religião, apesar de ser crente,
mas sou crente em coisas que a maior parte das pessoas não acredita.
Nada tenho a ver com o catolicismo.
Não aceito que os familiares tenho o poder de decisão de vida e morte de uma pessoa.
Já se viram casos de pessoas em coma há 20 anos voltarem a si, quando os médicos diziam impossível.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Mateso

Aceito sim. Obrigado por te teres lembrado de mim.

beijinho
Minucha

claras manhãs disse...

Olá Valentim

Pensava que era outro blog teu.
Desculpa.

Eu sou a favor, por princípio meu, da liberdade de escolha, com regras.
O meu ponto de vista é que lá por eu poder ser a favor da vida, não tenho o direito de impor a ninguém a minha maneira de pensar.

Beijinho

claras manhãs disse...

Olá Mateo

Vieste tocar num ponto interessante.
Eu sou a favor da eutanásia com regras, como disse, mas seria incapaz de decidir da morte de alguém e não a quero para mim.
Já está escrito.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Saphou

Tal e qual!!!

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Júlia

sorriso
Também eu, por isso já houve cá em casa com toda a família, quando foi da americana Tierry, 'prelecção' e ficou escrito o que não queria para mim:
em nenhum caso a eutanásia.

beijinho

claras manhãs disse...

Olá Elcio


Eu admito a livre escolha, também em caso de estupro.
Mas nunca a decisão de outros, mesmo que pais.
Vazios legais são a vergonha de um estado, qualquer estado, por deixarem à arbietriedade de batalhas legais, a decisão

beijinho

inespimentel disse...

Olha Minuxa, se fosse alguém que eu amasse muito,ou se fosse por amor e não outros interesses, eu acho legítimo... ver um filho, por exemplo, 5, 10, 15 anos e mais numa cama, sem recuperação... não sei... talvez eu escolhesse 15 dias de sofrimento, ou uma qq injecção, do que mais do mesmo até ao derradeiro suspiro!
São decisões incalculavelmente aterradoras... mas o que acho é que o deixar andar ou pensar que não se toma nenhuma decisão NÃO EXISTE... não fazer nada é também um decisão... e com que repercursões, meu Deus..

CCF disse...

Mas o que é a vida? Será que ela está realmente viva? Penso que a questão deve começar por aí.
~CC~

Fatyly disse...

Eluana Englaro morreu hoje, dia 9 de Fevereiro terminando assim uma "vida artificial e vegetativa"

claras manhãs disse...

Olá Inês

Quando disse em cima que, o que penso agora e não tenho certezas, é que nunca pediria a eutanásia para um filho, a não ser que ele o tivesse explicitamente dito.
Nestes dois casos de matar à fome, o que sempre disse, foi que nem o ex-marido de Tierry, nem os pais desta italiana disseram que elas o tinham ecplicitamente dito.
O que dizem é que ela era a favor da liberdade e isso a mim não me diz que ela quisesse a eutanásia.
O que penso sobre a eutanásia e por isso gostava que houvesse leis, é que a decisão de pedir a eutanásia não pode estar nas mãos de familiares.
Tem de estar e só, nas mãos da pessoa afectada e se ela não puder já decidir e não o tiver deixado escrito, não pode haver eutanásia.
Isto é só o que eu penso. isto é o que eu defendo.


beijinho, Inês.

claras manhãs disse...

Olá Carla


Ah não!
isso é que não Carla.
Está viva mesmo, está tão viva que não estava ligada a nenhuma máquina. Só a alimentavam.
Dou-te o exemplo dos doentes de Alzheimar
Estão vivos ou não? poderá um familiar pedir a eutanásia para um doente com alzheimer avançado ou não?
Ou faço-te a pergunta sobre a legalização do aborto que tu sabes que sempre defendi.
Aceitavas eticamente, e só eticamente, que se legalizasse o aborto aos 4, ou 5, ou 6, ou 7, etc, meses de gestação?
A discussão filosófica sobre o que é vida, não deveria ser feia durante um caso destes.
Já te passou pela ideia quantos casos de coma e de morte cerebral já vieram a si, depois de 18 e de 20 anos?
Estavam vivos ou não?

beijinho, Carla

claras manhãs disse...

Olá Fatyly


Se era para matar, ainda bem que já morreu.
mas deixo-te uma pergunta.
Não achas estranho que depois dos médicos da clínica terem dito que demoraria a morrer entre 13 e 15 dias, tenha morrido em 4 ou 5, em plena discussão no parlamento italiano?
Mas a questão é sempre a mesma se morreu de fome.
A questão é sempre a mesma, também, por ter sido pedida por familiares, e acho que deixei a minha opinião bem expressa no post que fiz.
Sabes por ventura que está um rapaz em julgamento em Itália, por ter levado a mãe à Suiça para lhe fazerem a eutanásia, pedida por ela e bem consciente, e que pode levar entre oito a 14 anos de prisão?
Quantas medidas há?
A discussão não está feita, e têm de haver leis sem vazios legais, em que os tribunais de um pais possam decidir de maneira tão abjecta, tanto no caso do filho que levou a mãe com doença muscular degenerativa à Suiça como o de Eluana.
Dois casos, e duas medidas dos tribunais italianos.

beijinho Fatyly

claras manhãs disse...

A TODOS O MEU OBRIGADO, POR TEREM PARTICIPADO NESTA TROCA DE OPINIÕES.
PELO MENOS FICOU EXPRESSA, AS VÁRIAS SENSIBILIDADES E AS VÁRIAS OPINIÕES.
A IDEIA QUE ME FICA, É QUE AINDA VAI DEMORAR MUITO TEMPO PARA SE FAZEREM LEIS E QUE A DISCUSSÃO PÚBLICA, SE A HOUVER, NÃO VAI SER NADA FÁCIL

BEIJOS AGRADECIDOS A TODOS QUANTO SE DERAM AO TRABALHO DE EMITIR AS SUAS OPINIÕES.